quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

FILOSOFIA MODERNA: ESTÁTUA DE KRAMER

No túmulo de Roecken

Enterraram a tragédia

Nem mesmo, nasceu mesmo!?

Quem condenou o ”gênio” Jesus?

Que pagou o preço

Demostrou a verdade, mesmo a sendo!

E o Anticristo?

Traçou um paralelo!

Cego de corpo e alma

Preso a apoplexia

Cérebro oficina de alucinaçaõ

‘'Cosima Wagner!!

Adriadne, eu te amo!

Brandes o crucificado!

Hospício-Dionisío”

Das gotas de sangue de cristo

Ao anticristo de mente desequilibrada

 Destroçada, débil e resignada a nada

Quem gosta

Bom paralelo

Preço do reconhecimento do ideal

Sangue por uma causa eterna!

Existe a esperança

Se não seriamos os mais miseráveis dos homens

Esperando de cristo só nesta vida

A loucura por uma loucura,

É totalmente diferente!

Não merece confiança!!!

Perda da lucidez

Pela estátua de Kramer

Em fim.

O claro pelo escuro

O homem  mais miserável do mundo!!!

Condenou a si mesmo

Por um lugar na galeria dos heróis da terra

Existe um Deus Todo-poderoso!

Nada significa o Túmulo de Roecken.

                 Almeida, Joel. Túmulo de Roecken. 2002

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AJA-DJA Brasil (2001)

AJA-DJA Brasil (2001)
Obra apresentada no salão de poesia "Psiu Poético" (Montes Claros-MG)

Sobre o Poeta Joel Almeida

O POETA MORREU, AGORA O POETA VIVEU?