quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

POESIA : INOCÊNCIA E PECADO

Que adolescência

Estorinha nos ouvidos

Ouça filho! Fala pai!

Idos atrás

No castelo eterno

O poderoso rei

Cheio de pedras preciosas

Construiu seu jardim

Frutos deliciosos

Entregou-os seus filhos

Que foram enganados

Pelo príncipe inimigo

Tornou-se dono de tudo

O que aconteceu?

Escravizou os criados!

Colocou sobre eles jugos?

Cegou seus olhos!

Tirou-lhes a paz da alma

Passou a espancá-los! Matá-los!

Esqueceram-se do rei

Tudo que aprenderam desse

Amor com quem os amou

Aprenderam mentiras! Mentir!

Chicotadas! Chicotadas!...

Ah não se importam com...

Caíram! Muito feio!

O coração de David

Como está triste!

Seu exército está disposto a lutar

Trazer de volta o reino?

Ah, ah, ah! Porém, rejeitou o rei.

Plano elaborado

Que ultrapasse o real

Cogitou bem em sangue

Amor deve ser provado!

Vale mais que todos os exércitos

Que lutam por obrigação

Enviou seu filho!

Único! Amado meu!

Tudo de mais belo

Assim acreditarão?!

Lutará até a morte

Morrendo na batalha acreditarão

Serão os herdeiros

Quando voltar acaba tudo...

Muitos já estão com o inimigo.

 

      Almeida, Joel. Túmulo de Roecken. 2002

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AJA-DJA Brasil (2001)

AJA-DJA Brasil (2001)
Obra apresentada no salão de poesia "Psiu Poético" (Montes Claros-MG)

Sobre o Poeta Joel Almeida

O POETA MORREU, AGORA O POETA VIVEU?