domingo, 22 de março de 2009

POETA DO MORRO: POESIA

O poeta olhava do morro 
Lá embaixo, 
Bem em baixo! 
Sentado em seu lugar 
Se de balanço, ou não... 
Oh! Não sei! 
Vermezinhos brigando
Se matando 
Devorando uns aos outros... 
Escrevendo no chão, 
Algo em putrefação... 
Só ele vê! 
Abre nossos olhos 
Cegos orgulhosos 
Duvidas do que crês 
Amor enlatado 
Preconceitos sem medida 
Mágoas em mim 
Não pedem perdão! 
Nem todos subirão lá 
No monte do poeta 
Pernas se cansam 
Do cume tudo fica claro 
Fácil de entender 
Confusão de baixo 
Oh, doce Dom do amor!  
A noite está chegando 
Muitos dormirão com ela 
Brigando pela posse 
Tuberculose e tosse 
Ossos permanecerão 
O poeta do morro! 
É! Eu! Sou! 
Não sou do eu! 
Eu sou! 
Do Eu Sou!
Almeida, Joel. Ajadja Brasil. Montes Claros 2002.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AJA-DJA Brasil (2001)

AJA-DJA Brasil (2001)
Obra apresentada no salão de poesia "Psiu Poético" (Montes Claros-MG)

Sobre o Poeta Joel Almeida

O POETA MORREU, AGORA O POETA VIVEU?