domingo, 1 de março de 2009

POESIA : SENSUS DIVINO

Espetáculos da humanidade
Falácias otimistas diagnosticadas 
Que é erro se explodiram o alvo? 
Charlatões falsificadores da origem 
Quem é o idealizador Supremo? 
Ou uma lata de lixo que somos? 
Oh, aberração burra! 
Pongidae-hominidae 
Gorilão eterno? 
Chimpanzé e orangotango-tango argentino?! 
Oh! E o fator consciência? 
Não é xadrez de poderes e forças! 
Assim vem, 
Se Adão, se Eva, se macaco, se eu... 
Agora vai... 
Australopithecus-homo habilis 
Morreram... 
Acharam os fósseis... 
Deles uma conclusão? 
E eu, macaco? Tenho que aceitá-la??! 
Javantropo-sinantropo 
Paleantropo-neanderthal... 
Uma resolução? 
E eu, macaco? Tenho que ser macaco??! 
É minha solução? 
Amanhã quem sou eu? 
De onde eu vim? 
Qual minha origem? 
Para onde eu irei? 
... Mamãe? Mamãe? Mamãe? Mamãe? Mamãe? 
... começa tudo outra vez!!! 
Não existe cura para sua alma duvidosa? 
Ohhh, mecanismo biológico + inter-relação de forças 
Depois de amanhã! 
A consciência cogita! 
Deus existe? 
E se a bíblia estiver certa? 
E minha alma? 
E o meu intelecto? 
Os animais assim se perguntam?! 
Xeque-mate, pecado! 
Golpe de misericórdia 
Tu queres fazer o bem? 
Como fazes o mal que tu não queres? 
Lança-se na satisfação 
Padrão do prazer que te agrada 
Como tu se achas insatisfeito? 
Paradoxo??! Insatisfação satisfeita, 
Ou satisfação insatisfeita? 
Inquietação do homem interior 
Que busca relacionamento com Deus 
O homem caído se sente bem com o mal 
Sua psicologia enferma responde: 
Se o que fazes, Faz-te sentir bem, 
Mesmo que seja mal, 
Então faça! 
No fim se sente mal! 
Conclusão: 
Senso divino.
ALMEIDA, Joel. Deliberação. Montes Claros, 2003

Um comentário:

AJA-DJA Brasil (2001)

AJA-DJA Brasil (2001)
Obra apresentada no salão de poesia "Psiu Poético" (Montes Claros-MG)

Sobre o Poeta Joel Almeida

O POETA MORREU, AGORA O POETA VIVEU?