segunda-feira, 26 de julho de 2010

AJADJA VOLTARÁ

Disseram-me de Ajadja

É um excêntrico excessivo

Indigesto a modernidade

São parteiros do meu aborto

Preeminentes arrogantes

Rostearei com bravura

Essa estatuária de mortos

Infestação putrefata dos túmulos

Sou estentor da beleza

Prefaciador na defesa da realeza

Contra todo horror misoneísta ant-poesia

Néscios retardados no paradigma

Movimento pretérito fustigador da rima

Reluzam os versos sentenciosos

Toda laudabilidade que merece!!!

Ajadja fala:

Detesto com o desprezo que se precisa...

Toda essa bugiganga empoeirada da estante

A burragem em aversão ignorante me obriga!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AJA-DJA Brasil (2001)

AJA-DJA Brasil (2001)
Obra apresentada no salão de poesia "Psiu Poético" (Montes Claros-MG)

Sobre o Poeta Joel Almeida

O POETA MORREU, AGORA O POETA VIVEU?