segunda-feira, 26 de julho de 2010

CADILLAC 56

Se uma coisa

Deixa-me amargurado

É apenas uma coisa

Não passa de uma coisa

É uma coisa que perco

Uma coisa que não vale

É uma coisa que não serve

Uma coisa que já usei

Coisa que já amei

Uma coisa que me ensinou

Coisa que já passou

É uma coisa que está morta

Coisa que os homens

Querem que eu goste

Coisas que querem que eu ame!

Um homem que se foi!

É uma coisa

Uma mulher sem voz

Sem sonhos, poemas, que viveu os versos

Amei muitas palavras

Estou firme, sobre meus pés

Levarei flores no cemitério

Atitude de respeito

Aos túmulos mortos sem poesias

Daqueles que foram embora

Pegarei meu cadillac 56

Nas pegadas do caminho, da verdade e

da vida

Fumaça ficará para trás!!!

Os que chorarem por mim!?!

Não façam altos ideais de mim

Só fumaça ficou,

Comprem um carro novo

Descubra outra sensação

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AJA-DJA Brasil (2001)

AJA-DJA Brasil (2001)
Obra apresentada no salão de poesia "Psiu Poético" (Montes Claros-MG)

Sobre o Poeta Joel Almeida

O POETA MORREU, AGORA O POETA VIVEU?