segunda-feira, 26 de julho de 2010

LIVRO PASSATEMPO



O relógio na parede

Tic-tac-tic-tac...
O grilo lá fora
Jogo de palavras cruzadas
enxaqueca de cabeça
Passatempo nas mãos
Livro que não tem sentido
Poesias contemporâneas
Que nada!
Que sono! Vou dormir!

Joel Almeida0 comentários 






MÁXIMO COMUM DO PÃO


Ontem comi pão
Passei manteiga
Tomei café quente
Alguém foi grato a mim
Não explorei ninguém
Um plantou, outro comprou
E os dois ganharam
Tornei-me um indivíduo?
O que devo então à sociedade?
Os valores que a constrói ?
Só se não ferirem o particular?
Não somos nada em comum!!!
Quem disse ser essa doutrina de cristo?
O Marx era um invejoso!!!
Os pobres!?!
Sempre os tendes convosco!
Disse Jesus:
_ Zaratustra morreu ontem!
Enterram-no no fundo da prefeitura!..
Era um pobre mendigo idealista...
Pão deve ser repartido para todos!
Faz apenas o social existir,
Vida ultrapassa essa linha...
São coisas insignificantes significantes
Tenha o bastante
Amontoe o máximo
Domine até onde puder
Respeitando os valores da vida
Não destrua o direito
Não somos iguais...
Sem suor,
Preguiçoso não é digno de pão
Ah!! Até as árvores não são...
Eu sou original.


DIGNA HUMILDADE


Parece-me inconcebível
Disseminação de igualdade
Não foi, nem será...
Originalmente fundamentada em Cristo!
“E as honras aos nobres e reis?”
Obediências dos servos aos senhores?
“Submissão” das mulheres aos maridos?
“Dai honra a quem é digno de honra?”
“O menor aqui, será maior no meu reino?”
Como poderia, assim seguindo...
Quem masculinizou a mulher?
Tirando-lhe o que lhe é mais excelente
Colocando-a em busca de direito de domínio?
Ninguém entra em guerra por igualdade!
O conceito será falso se assim for!
Quem roubou meu direito particular?
Não está dentro do respeito ao todo?
O único soma,
No corpo, faça parte dele!
Um é o cabeça,
Outros olhos, outra boca, pés...
Liberdade de direito particular
Harmonia no corpo,
Ou teremos anarquismo!!!
Que não tolera o cristianismo!
Que gerou o verdadeiro valor do respeito!


MAIOR REVELAÇÃO

Onde está o centro da gravidade da vida?
Disse Jesus:
Eu sou o caminho
A verdade e a vida!
Falou Zaratustra:
“Se se põe o centro da gravidade da vida,
Não na vida!
Mas lá no além, no nada!
Tirou-se da vida toda gravidade!”
Disse Jesus:
Quem crê em mim, não provará a
Morte, mas viverá eternamente,
Eu sou a vida!!!
Fala Zaratustra:
“Viver de tal modo,
Que não tem mais nenhum sentido
Viver, esse se torna agora o sentido da vida...”
Não são argumentos tolos?
Referindo-me a Zaratustra!
Se disse Cristo ser a própria vida?
Está ilógica a fé cristã?
Ou sua filosofia que fugiu
Ao raciocínio lógico do pensamento cristão??!
Não está este a falsificando?
Fortalecendo seus argumentos?
Não é uma decadente mentira?
Se fugiu a lógica sublime da ciência!!!
Raciocínios desequilibrados, desarmoniosos!!!
Não exaltei Sócrates! Risos!
Um doido qualquer das ruas!!!
Perseguiria o raciocínio da doutrina cristã
Sua resposta seria na “Eternidade”
Se a existência é eterna
Se Jesus é a vida, como cremos!
Sua resposta seria sábia
Como sempre as considerei
O centro da gravidade está na vida?
Quem é a vida?
Se cremos na eternidade!
Onde está toda gravidade da
vida? Onde devemos colocá-la?
Ah! Que dó!!!
Ele não pensava logicamente,
Apenas defendia sua causa...
Se não revelaria a maior verdade!


ESTÁTUA DE KRAMER


No túmulo de Roecken
Enterraram a tragédia
Nem mesmo, nasceu mesmo!?
Quem condenou o “gênio” Jesus?
Que pagou o preço
Demostrou a verdade, mesmo a sendo!
E o Anticristo?
Traçou um paralelo!
Cego de corpo e alma
Preso a apoplexia
Cérebro oficina de alucinaçaõ
“Cosima Wagner!!
Adriadne, eu te amo!
Brandes o crucificado!
Hospício-Dionisío”
Das gotas de sangue de Cristo
Ao anticristo de mente desequilibrada
Destroçada, débil e resignada a nada
Quem gosta
Bom paralelo
Preço do reconhecimento do ideal
Sangue por uma causa eterna!
Existe a esperança
Se não seríamos os mais miseráveis dos homens
Esperando de Cristo só nesta vida
A loucura por uma loucura,
É totalmente diferente!
Não merece confiança!!!
Perda da lucidez
Pela estátua de Kramer
Em fim.
O claro pelo escuro
O homem mais miserável do mundo!!!
Condenou a si mesmo
Por um lugar na galeria dos heróis da terra
Existe um Deus Todo-poderoso!
Nada significa o Túmulo de Roecken.



O ANTICRISTO


Disseram-me que,
O anticristo falou
Estabeleça-se entre anarquistas e cristãos
Que perfeita equação?
Qual a finalidade e instinto
Que gera destruição?
...formação intelectual Hitler!
Que vergonhoso teste de “construção”
Seis milhões de inocentes mortos
Olhando livremente a liberdade
A convicção em si mesmo, o prendeu mortalmente
Os grandes espíritos céticos
Gozando a liberdade na prisão
Presos no seu intelecto ao seu serviço
Máquinas assassinas do inferno
Criam humanas convicções mutatórias
Que morrem nas fraquezas da limitação...
“ a crença em si mesmo,
em si mesma uma expressão,
doente de privação de si!?!”
Qual o ponto que está o crente em si???
O forte em si mesmo
Condicionado a escravidão de si
E o que diz o crente em Deus?
O fraco,
Eu sou forte naquele que me fortalece
Para surdos,
Ver gestos, significa mais que ouvir razões...
Quem está dentro de mim,
Também se manifestou lá fora!!!



AMIGO AJADJA


Bem, Ajadja!!
Não Serei irônico
Sim!
Sempre verdadeiro
E aquelas perguntas?
Ninguém me respondeu verdades!!.
Continuam nos meios!
Então por que sou homem?
E tanta repressão a energia casual?
O que é essa moral?
Antichirst matou Deus?
E agora, Ajadja?
Vão salvar o entulho de átomos sentimentais?
Esses argumentos deles!!.
Oh! Não são vícios graves?
Não são fraudosos?
Mentiras traiçoeiras em nome da verdade!
Como colocar em ordem?
O que por natureza é uma desordem?
Se não existe arquiteto universal?
Como dizem uns de vós!
O que é honesto no seu sim e não?
O que é certo ou errado?
Qual o padrão moral estabelecido?
Não sou aberração do acaso?
Quem é Nietzsche? Marx, Darwin e Platão?
Que é arte e filosofia?
Quais as combinações químicas pensantes,
Que com um golpe de misericórdia,
Mataram o velho Deus?
Uma explosão atômica de pensamentos?
Onde está o atestado?
Como matar o que não existe?
Onde o enterraram?
Ah! No fundo da prefeitura?
O que me faz crer,
Esse bolo químico atômico
Mataram a pessoa enganada!
Eu desfilei com Deus ontem!!!
Conversei com ele!!!
É ilegal, condenar
Quem não existe,
Se tem dúvida,
Que está vivo ou não, um erro maior!!!
Incoerência racional
Onde está o réu?
Não se toca,
Em coisa que não se explica!
De onde vieram os gases?
Hidrogênio e hélio?
O que me diz da energia?
Apareceram por aí?
E antes deles?
Eu sou primeiro!
“Só sei que algo é”.
E o que vai além da experiência?
O eterno!
Imóvel!
Imutável!
Será explicado
No tempo móvel das ciências das coisas em movimento?
“Deus e somente Deus é a verdade!”
Ah! Tu és voz muda
Do mundo dos fenômenos
Tudo é acidental?
“Não há algo como ser homem e ser animal?
O que um ser não pode ser?” Contradição!
A grande questão é,
Ajadja, Homem não é homem?
A razão é, vive-se por toda eternidade!
Ou nunca seria eterno
Cristo, o mistério desvendado
Que nos une! Bom e bom!
Verdadeiramente estávamos separados
Essência e existência, ser de Deus!...
Ser criado, homem!!!
Essência e existência separados
Todos pecaram; os seres criados,
E separados estão da essência Deus!
Unidos em Cristo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AJA-DJA Brasil (2001)

AJA-DJA Brasil (2001)
Obra apresentada no salão de poesia "Psiu Poético" (Montes Claros-MG)

Sobre o Poeta Joel Almeida

O POETA MORREU, AGORA O POETA VIVEU?