segunda-feira, 26 de julho de 2010

PSIU POÉTICO & MORTE DOS DINOSSAUROS

Grandes dinossauros

Nos seus dias Poderosos

Entre os animais

Governavam com suas forças

Cabeças dos sauros

Estão mortos!!!

Abaixo de nossa terra ...seus ossos...

Mentes que já não pensam

Nem sonham conquistas

Esgotados de todo vigor

Seus restos expostos

Nos museus de cultura

Para que os jovens lembrem

No Brasil existiu dinos!!!

Passado é o tempo deles

Fósseis espalhados por ai

Esmagavam pequenos bichos

Devoravam carnes

Uns aos outros

Oh, pobres dinossauros!!!

Nunca se imaginaram mortos!?

E agora? Onças pardos elefantes zombam deles!

Pisam nos seus restos

Que não reagem mais...

E eu? Sou mais um gato!

Pelo menos mia!!!

Os dinossauros não vivem, não berram, não falam...

Estão todos mortos!

Enterrados debaixo das cidades

Fantasias que muitos colecionam

Brinquedinhos da imaginação

Monstrinhos mortos! Mortos! Claro!

Eles foram, não voltam...

São só lembranças! Lembranças!

Nos livros, nas bibliotecas das escolas...

Suas ações, manifestações e poder,

Nos discursos nas universidades

O “Big-Bang” caiu sob a cabeça deles

Era uma vez os...

Despachantes das velhas rimas

Almeida, Joel. Ajadja Brasil. Poesia para psiu poético 200

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AJA-DJA Brasil (2001)

AJA-DJA Brasil (2001)
Obra apresentada no salão de poesia "Psiu Poético" (Montes Claros-MG)

Sobre o Poeta Joel Almeida

O POETA MORREU, AGORA O POETA VIVEU?