segunda-feira, 26 de julho de 2010

TROPEÇOS

Sem ter outro

Também questionamento

Pinto eras de cores

Sensível ao belo

Não quero mais...

Crítica as coisas

Preciso entendê-las

Sempre existirão

Confusas em si mesmas

Amarradas no mesmo jogo

Pedras não amam!!!

Erraram os filósofos

Nada penetra

Dureza d’Elas

Quando caem em cima...

Esmagam! Esmagam! Consomem tudo!

Não sentem

Nem pensam

São pedras

São rochas

Estão aqui

Não mudam

Eternamente duras

Tropeços do caminho

Onde que se vá

Lá estarão elas

Pedras são pedras

Que sejam brancas, pretas,

Vermelhas, amarelas

Pedras são pedras

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AJA-DJA Brasil (2001)

AJA-DJA Brasil (2001)
Obra apresentada no salão de poesia "Psiu Poético" (Montes Claros-MG)

Sobre o Poeta Joel Almeida

O POETA MORREU, AGORA O POETA VIVEU?