segunda-feira, 26 de julho de 2010

VENTRE GERADOR

Contextuada contígua eterna

Preciosa tauxia adornada

Anelo perfeito de sangue

Sua piedade seja elevo enobrecida

Benevolente abrandadora da tempestade

Estou coesido bracejando no seu recanto

Discente seguidor dos seus revérberos conselhos

Tu foste meu sustentáculo estrênuo

Matriz inspiradora do deslumbrado poeta

Congruência propedêutica dos sonetos

Inigualável pérola ingênua de Elohin

Cofre secreto de secreto cheio de jóias valiosas

Não reprocha meus infortúnios

Caroávelmente concebe o consolo

Profícua reminiscência sempiterna.

Meu xerox, sósiatica que na gaveta me conservou

O Ventre que é gerador da dor

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AJA-DJA Brasil (2001)

AJA-DJA Brasil (2001)
Obra apresentada no salão de poesia "Psiu Poético" (Montes Claros-MG)

Sobre o Poeta Joel Almeida

O POETA MORREU, AGORA O POETA VIVEU?